Email: Senha: Esqueci a senha 

Leia no rodapé as condições de uso. Revoga-se toda e qualquer autorização divergente.


Tópico anterior Tópico atual Próximo tópico
Afogamento Ação Física Sonora, Luminosa, Radioativa, Pressórica Pressão
abrir box

Índice
Ação Física Sonora, Luminosa, Radioativa, Pressórica
Pressão
Radioatividade
Luz
Som  

 
 
   
  • Meio mais importante no mecanismo de produção das lesões
  • Dentro deste grupo, encontra-se o principal estatisticamente: o mecânico

Pressão

   
As lesões ocasionadas pela pressão são raras e geralmente estão relacionadas com atividades de mergulho, alpinismo e aviação.

Um disparo de arma de fogo em focal fechado e pequeno pode produzir lesões como rotura timpânica.

Um avião comercial que vôe a 37.000 pés, mantém a pressão interna equivalente à pressão de 8.000 pés. Caso ocorra uma descompressão, quanto mais súbita ocorra, maiores serão os problemas. Isto, sem falar na questão da baixa de oxigênio.

No caso dos mergulhadores, a fisiopatologia decorre da descompressão súbita e formação de gases no sistema circulatório. A cada 10m de profundidade na água, a pressão aumenta 1 atmosfera, ou seja, a 30 metros o mergulhador está sujeito a uma pressão total de 4 atmosferas.

Quando o mergulhador submerge a pressão aumenta e a tuba auditiva pode não estar pérvea, impossibilitando a equalizando da pressão entre o ouvido médio e o externo. Esta diferença de pressão pode levar a ruptura timpânica, produzindo dor e comprometimento da audição.

Caso o mergulhador esteja com a cabeça desprotegida na água fria, a entrada abrupta de água no ouvido médio causa vertigem (vertigem alternobárica), desorientação e náusea. O mergulhador pode vomitar e afogar-se. O uso de tampões de ouvido é desaconselhado, pois cria um espaço fechado entre o tampão e a membrana timpânica onde a pressão não pode ser igualada.

Um mergulhador a 10 metros de profundidade, inspira uma o dobro de ar (em massa) que inspiraria na superfície. Caso emirja sem expirar, o volume contido nos pulmões dobra e pode causar rupturas pulmonares fatais.

A embolia gasosa é o obstrução de vasos sangüíneos por bolhas de ar na corrente sangüínea, geralmente decorrentes da expansão do ar retido nos pulmões enquanto a pressão diminui durante a emersão em um mergulho. Ocorre também a formação de bolhas a partir dos gases dissolvidos no sangue e nos tecidos, que formam bolhas que obstruem o fluxo sangüíneo e causam dor e outros sintomas.

Por isso, existe a necessidade de usar tabelas de tempos de descompressão em função da profundidade e do tempo de mergulho e da mistura utilizada.

A escola "Net-diver school" oferece pela internet um curso grátis para quem deseja obter uma licença para mergulho em águas abertas. No site você encontra diversas informações úteis de como utilizar a tabela de mergulho reproduzida neste tópico. Clique aqui para acessar o site da "Net-diver school"
Radioatividade
  • As lesões decorrentes da radioatividade são mais comumente produzidas por aparelhos de raios X ou por substâncias radioativas de uso medicinal ou industrial.
  • Existe uma grande preocupação das autoridades com os atentados radioativos, utilizando, por exemplo, as chamadas “bombas sujas”, nas quais o componente radioativo não é utilizado para a explosão, mas é simplesmente espalhado por uma explosão convencional.
  • As lesões locais são conhecidas como radiodermites e podem ser:
    • Agudas
      • PRIMEIRO GRAU - Formas depilatória ou eritematosa
      • SEGUNDO GRAU - Geralmente representada por ulceração dolorosa, recoberta por crosta sero-purulenta
      • TERCEIRO GRAU - Apresentam zonas de necrose
    • Crônicas
      • Podem apresentar as formas úlcero-atrófica, telangiectásica ou neoplásica.

Luz

             
  • A intensidade luminosa excessiva pode causar danos ao aparelho visual, de forma crônica ou aguda.
  • O esforço crônico em situações de luminosidade inferior à adequada também pode resultar em lesões.
  • Radiação luminosa em espectros diversos do habitual, como ultra-violeta, podem causar lesões (no caso, opacificação do cristalino).

Som

   

Exposição crônica pode levar à debilidade ou perda auditiva irreparável.

Exposição aguda de grande intensidade também pode produzir lesões.

A intensidade sonora é medida em decibéis. Observe a tabela abaixo:

Qualidade do Som Decibéis Tipo de Ruído
muito baixo 0-20 farfalhar das folhas
baixo 20-40 conversação silenciosa
moderado 40-60 conversação normal
alto 60-80 ruído médio de fábrica ou trânsito
muito alto 80-100 apito de guarda e ruído de caminhão
ensurdecedor 100-120 ruído de discoteca e de avião decolando
  140 disparo de arma de fogo

As perdas auditivas ocorrem de forma diferente para cada tipo de freqüência.



Webmaster
Malthus

Site de Apoio ao Processo Ensino Aprendizagem do
LOAFMEL
Laboratório de Odontologia e Antropologia Forenses e Medicina Legal
Faculdade de Medicina
Universidade de Brasília.

Coordenador: Professor Malthus Galvão
Este site é monitorado.

©Os direitos autorais deste Sítio são protegidos pela Lei 9610 de 19/02/1998. Todos os programas de computador, métodos e bancos de dados utilizados neste Sítio foram desenvolvidos pelo Prof. Malthus Galvão. O conteúdo é propriedade dos respectivos autores. Toda violação destes direitos de propriedade estará sujeita às penalidades prescritas em lei. Entretanto,Você pode utilizar o material, desde que siga à risca os termos da licença a seguir.

LOAFMEL - UnB by Malthus Fonseca Galvão is licensed under CC BY-NC-SA 4.0


Este sítio está em constante remodelação e pode conter erros!!!